quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Merry Christmas - Serra da Estrela


Hi, people! Como passaram de Natal? Espero que tenha sido como o meu porque foi muito divertido. Alugamos um xalé na Serra da Estrela por 650 euros para colocarmos o número de pessoas que quisessemos. Coube confortavelmente 16 pessoas e saiu barato para todo mundo. O xalé era lindo e super quente. Nesse link   você encontra xalés na Serra da Estrela de todos os tipos e preços.

Nosso xalé

Alugamos dois carros para subir a serra (nesse post explico como alugar um carro em Porto) e levamos com a gente toda a empolgação possível. Saímos na esperança de conhecer a neve, fazer bonequinhos e esquiar. E, claro, não esquecemos de levar nossa árvore de Natal.

Chegando lá, não havia neve! Fiquei triste por isso, mas o lugar é tão lindo, tão lindo, que a falta de neve foi o de menos. O mais próximo que chegamos da neve foi na estação de esqui e no caminho que havia alguns sinais de gelo e lagos congelados.

Estação de Esqui

Chegamos no dia 23 e bebemos muito. Ao acordar dia 24, me deparo com uma paisagem tão deslumbrante que chegou a me arrepiar. Até pensei: imagina se eu pudesse acordar todos os dias com essa paisagem! É incrível!



Desbravando os arredores

Logo ao acordar, fomos desbravar as belezas da redondeza. Que, confesso, superou minhas expectativas.

Noite de Natal

A noite de Natal foi muito divertida. Iniciou-se com uma roda de violão, depois o Pai Natal chegou e começou a troca de presentes. E por último, a ceia que entrou madrugada a fora, só terminando ao raiar do dia.

Roda de viola

Ganhando presente do Papai Noel

Foi realmente digno de um Natal em família. Eu nem senti falta de casa. Somente no dia 27, quando liguei para casa e minha vó me contou todas as histórias engraçadas que aconteceram no Natal deles e disse que esse ano só faltou eu da família.

Nem sempre se pode ter tudo. O importante é sentir-se feliz e ver que as pessoas sentem sua falta de alguma forma. E ano que vem, estarei do lado deles no Natal.

Bom, resumindo: Serra da Estrela é outro lugar que você tem que visitar. Mais uma vez confirmei minha teoria de que as fotografias nunca conseguirão ser fiel ao que os olhos veem. Elas estão lindas, mas não mostram nem metade do que é a beleza da Serra da Estrela.

Feliz Natal a todos e que o espírito do Natal permaneça por todo o ano de 2012, trazendo ótimas vibrações e apontando caminhos.

Abaixo, a trilha sonora da viagem para vocês curtirem.


Merry Christmas!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Dia a dia no Porto

Hoje falarei do meu dia a dia aqui no Porto. Como é a vida de uma intercambista que vem para cá estudar e farrear... rsrs... (Tomara que minha mãe não leia isso!)

Vamos começar pela segunda-feira - o pior dia da minha semana. Eu acordo às 7h30 e vou para a faculdade. Minha primeira aula é de Assessoria de Imprensa. Nesta disciplina, aprendemos sobre as ferramentas e processos da assessoria de imprensa. Além disso, o professor sempre leva nomes importantes da área para falar sobre os trabalho deles, como a assessora de imprensa da Casa da Música, um importante centro cultural da cidade. 

A aula acaba 12h. Exatamente na hora que começa minha próxima matéria - Jornalismo Comparado. Às 13h o professor faz uma pausa para o almoço e às 14h voltamos para a aula até às 17h. Essa disciplina é muito legal. Muito mesmo. Consiste na comparação das formas de abordagem de vários veículos em determinadas guerras. E nas formas como os governos tentavam manipular a imprensa. Mas, para quem pretende fazer essa disciplina, precisa estar muito afim de estudar. Porque o professor é super exigente e odeia atrasos. Ele é o único professor nessa área na Europa. Então, ele acaba sendo muito requisitado, o que incha o ego dele. Além das provas, temos que entregar uma dissertação de 40 páginas comparando jornais na cobertura de determinada guerra. O que dá muito trabalho. Eu fiquei com A Folha de S. Paulo, O Globo, El País e La Vanguardia na cobertura das manifestações na Tunísia. Enfim terminei essa dissertação, tenho alguns ajustes a fazer, mas o pior já passou. Vai ser bom porque já terei um artigo para publicar ao voltar para o Brasil.

Faculdade de Letras da U. Porto

Ao término da aula de Jornalismo Comparado, vou correndo pegar um autocarro para ir à faculdade de Letras, onde estou dando continuidade ao Francês. A professora é uma gracinha. Mas é um pouco complicado a comunicação porque ela não fala uma palavra em Português, o que me deixa muito desesperada, às vezes.

Às 19h30 a aula acaba e volto para casa. Normalmente, chego muito cansada e vou dormir. Mas quando sobra energia vamos para a Ribeira. A Ribeira é um lugar famoso aqui no Porto. É às margens do Rio Douro que separa Porto de Vila Nova de Gaia. Nas segundas-feiras, um balde gigante de bebida alcólica (1l) custa 2,50. E pode ser a bebida que você quiser: wisky, vodka, cerveja, etc. É o dia de ficar bêbado!

Ribeira

Na terça eu só tenho aula às 14h. Então, costumo acordar tarde, almoçar e ir para a faculdade. Terça é dia de Argumentos e Estruturas Narrativas. Essa cadeira é muito massa. Aprendemos a elaborar roteiros, argumentar, estruturar vídeos etc. E o professor é muito simpático. Nosso trabalho final é realizar um documentário. O meu foi gravado semana passada. Minha equipe vai fazer um documentário sobre a vida de um seminarista de apenas 19 anos. Foi muito interessante as gravações. O produto final será muito legal. Aguardem que assim que o documentário estiver finalizado, eu posto aqui para vocês.

A aula acaba às 18h e vou para a casa. Às terças não costumamos sair. Normalmente, reunimos amigos em casa, cozinhamos algo (pão de queijo, lasanha, macarrão etc) e tomamos uma cervejinha ou um vinho só para confraternizar.


Quarta tenho que levantar às 7h30 para a aula de Assessoria de Imprensa novamente. Chego 12h e é meu dia de fazer o almoço. Estabelecemos na nossa república que cada pessoa iria cozinhar um dia da semana. Faço o almoço, lavo a louça e fico com o resto do dia livre. É um dia em que costumamos ir em algum shopping... há vários no Porto.... Falarei deles no próximo post. Ou então, vamos fazer um tour pela cidade. Bancar os turistas por aqui. A noite é dia de More. Uma danceteria famosa. Os intercambistas adoram ir lá.

Badalando na More Club

Quinta-feira é meu dia de arrumar a casa (arrumamos a casa duas vezes na semana). Então, acordo tarde, arrumo as coisas e 17h30 tenho aula de Francês novamente. Nas noites de quinta-feira costuma ter as festas que a ESN (organização estudantil que falei em posts anteriores... relembre) organiza para os Erasmus. Eles sempre fazem festas temáticas muito divertidas. Já teve festa dos Anos 80, de Halloween, Micareta, Festa do Branco, Do Neon... É uma ótima oportunidade para conhecer pessoas de diferentes países, fazer amizade, dançar, beber e paquerar. A parte de paquerar é um pouco complicada, porque os europeus costumam ser devagar, mas, de vez em quando, rola alguns flertes.

Festa Anos 80

Sexta-feira é dia da ressaca. Ou eu durmo o dia todo, ou saímos para algum shopping, ou conhecer a cidade. E a noite, reunião aqui em casa ou na casa de algum amigo. No máximo, vamos ao Piolho, a Adega ou Armazém do Chá. São bares famosos aqui onde a galera se encontra para concentrar antes das festas.

Festinha casa do Kaká


Piolho

Sábado e Domingo são uma boa data para ir conhecer cidades vizinhas como Braga, Aveiro, Guimarães, Barcelos.. ah... são muitas. Você vai e volta no mesmo dia. Já falei dessas viagens em um post anterior. Também se pode conhecer o Porto, ir à praia, ao Pálacio de Cristal. O que não falta é opção. Amanhã, por exemplo, vou conhecer Guimarães. Depois falo da cidade aqui.

Palácio de Cristal


Para a noite, tem várias danceterias no sábado. Tem Pitch, More, Vila Club, Havana Club e muitas outras. Mas essas são as principais. Ah... para quem gosta de forró, sempre rola um showzinho no Contagiarte que fica muito fixe, como dizem os portugueses.... hehe....

Forrozinho


Essa seria uma semana típica dos universitários do Porto. É ou não é uma vida boa?

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A surpreendente Barcelona - Capital da Catalunia

Barcelona é realmente incrível. Fiquei encantada com a cidade. Se você for vir ou estiver na Europa, não deixe de ir conhecer a cidade, porque vale muito a pena. Tem muitos lugares para conhecer e as pessoas são muito simpáticas e agradáveis. Algo que me chamou a atenção nos habitantes de Barcelona é que eles são irresistivelmente cheirosos. Todos, sem excessão, que cruzavam comigo na rua, eu sentia um cheiro muito agradável. Sei que parece estranha essa observação, mas não foi só eu que constatei isso não. Foi unânime entre meus amigos.

Barcelona é a capital da Catalunia, uma comunidade autonoma da Espanha. A língua oficial é o Catalão, uma língua românica bem parecida com o Espanhol, mas bem mais difícil de entender. Mas não se preocupe, se você não conseguir entender, é só pedir para falar em espanhol que todos sabem. Eles tem muito orgulho da sua origem e não se consideram espanhois. Para se ter uma ideia, na final da copa de 2010 disputada entre Espanha e Holanda, muitos catalões torceram para a Holanda.

Primeiro dia (quarta-feira)

Chegamos em Barcelona no dia 9 de novembro, uma quarta-feira, às 10h. No aeroporto há o aerobus, que transporta as pessoas de lá para o centro da cidade. A passagem é 5,30, achei muito cara, mas não sei outra forma de chegar ao centro. Descemos na Praça da Catalunia e fomos direto para o hostel. Ficamos no hostel Graffiti, saiu por 10 euros a diária por pessoa. Um preço muito barato se tratando de Barcelona, onde tudo é caro. Mas eu não curti muito o lugar não. É só para dormir mesmo. A cama é super confortável, os lençois limpos, tem armário no quarto e o banheiro também é bem limpinho. A localização é boa, perto da Sagrada Família e do metrô. No entanto, a cozinha é caotica e eles não limpam o quarto durante sua estadia. Vale a pena para quem pretende economizar. Os brasileiros que estão em Porto e foram para lá ficaram no hostel Kabul. Parece que o lugar é melhor e também não é caro, por volta de 13 euros a diária com café da manhã incluído.

O primeiro lugar que fomos conhecer foi a "La Sagrada Família". O templo é deslumbrante com sua estrutura omnipotente. Sua construção foi iniciada em 1882 e a previsão para a conclusão é em 2026, centenário da morte de Antoni Gaudi, um dos principais arquitetos da obra. Custa 12 euros para entrar no templo, infelizmente eu não entrei, mas muitas pessoas me falaram que vale a pena a vista do alto da torre. Paga-se mais 2,50 para subir.


La Sagrada Familia


Praticamente tudo na cidade foi construído por Gaudí. Ele é idolatrado pelas pessoas de lá. Após a Sagrada Família, fomos conhecer a "La Pedrera" ou Casa de Milá, outra obra do artista.


La Pedrera


Após passarmos pela La pedrera, fomos para a Casa de Battló. Nesse local encontram-se várias obras de Gaudi. Custa 18 euros a entrada, estudante paga 13. É um dos lugares que mais vale a pena entrar. É lindo!


Casa de Battló


Todo esse trajeto fizemos a pé. É tudo muito perto um do outro. A Casa de Battló fica numa das mais famosas ruas da cidade, a Passeig de Gracia. Nessa rua encontra-se as lojas com as marcas mais famosas do mundo. É como a Chanps-Elisée de Paris. Depois voltamos para o hostel de metrô. Sai mais em conta comprar o T10, um tiquet que vale para 10 viagens e custa 8,45. Pode ser usado por duas ou mais pessoas. Não saímos a noite porque estávamos todos muito cansados da viagem.


Passeig de Gracia


Segundo dia - (quinta-feira)

No segundo dia fomos a Praça da Catalunia. Ela se localiza descendo a Passeig de Gracia. Provavelmente será o primeiro lugar que você irá conhecer se pegar o aerobus. Seguimos para a La Rambla, uma das principais avenidas da cidade. Mas tome cuidado com assaltos por lá. Todas as pessoas que pedimos informações falaram que lá era perigoso e um francês que estava no hostel foi assaltado nessa rua.


O Máskara da La Rambla


Na La Rambla encontra-se o Mercado da Boqueria. É igual o Mercadão de São Paulo. Há vários tipos de alimentos por lá. De lá seguimos para a Praça Real, Praça de Sant Jaume e Catedral. Na Catedral a entrada é de graça e dá para subir de elevador até a torre. Não subimos porque chegamos tarde lá. O elevador só funciona até as 17h.


Mercado de La Boqueria


Praça Real


Catedral

Terceiro dia - (sexta-feira)

Na sexta, acordamos cedo e fomos para o Parc Guell. Fomos de metrô porque o lugar é longe do centro. Tem que pegar a linha verde (L3) e descer na parada Lesseps. Lá se encontra a Casa de Gaudi, o local onde ele morou por 20 anos. A entrada no Parc é grátuita. Para entrar na casa de Gaudi custa 6 euros, mas não tem muita coisa interessante para ver lá dentro não.


Parc Guell


Casa de Gaudí


O famoso lagarto de Gaudí


Depois fomos para o Montjuic, também localizado na linha verde, mas fica no sentido oposto. Desce em Paral-el. A linha vermelha (L1) também passa nessa parada. Lá você pega o ônibus e sobe para o Castelo. Pode-se ir de bondinho também, custa 6 euros. O castelo é lindo, com vários canhões e uma vista deslumbrante. Dá para ver Barcelona inteira e o porto da cidade.


Castelo de Montjuic


Canhão do Castelo


Descemos a pé o monte e passamos na Vila Olímpica, sede das Olimpíadas de 1992. Outro lugar encantador. Em seguida fomos para o lugar que eu mais gostei em Barcelona, as Fontes Mágicas. As fontes dão realmente um show. Como uma simples mistura de água e luz pode ser tão deslumbrante? As fontes parecem que realmente dançam. É um espetáculo de dança, na verdade. Às vezes, parece que nem é uma fonte, são fogos de artifícios. Mas o show só acontece sexta e sábado, de 19h às 21h. É, realmente, imperdível!


Vila Olímpica


Vila Olímpica


Fontes Mágicas


Voltamos ao hostel para um banho e fomos para uma apresentação de Flamenco. A dança exige uma postura, uma precisão. É impressionante como a dançarina não erra o compasso com tantos movimentos fortes. Vale a pena ir conferir. Eu fui numa casa de show que fica na Praça Real. Custa 6 euros a entrada. Tem outros lugares que há apresentações de Flamenco por 24 euros, com tapas (comida típica espanhola) e sangria liberados. Depois fomos passear pela Marina e beber.


Flamenco


Quarto e último dia - Sábado

No sábado, infelizmente, acordamos tarde. Como era o último dia para andarmos na cidade e cada um tinha suas prioridades, nos dividimos. Metade foi para o Camp Nou (estádio do Barcelona) e a outra metade foi passear pela cidade.

Eu fui com a metade que foi passear pela cidade. Fomos ao Museu do Picasso. Menores de 25 anos pagam 6 euros para entrar. Eu não entrei porque me falaram que há várias obras do Picasso em Madrid e a entrada lá é liberada. A Guernica está em Madrid e essa é a obra dele que eu mais quero ver. Em seguida, passamos pelo Museu do Xocolate e fomos para o Parc de la Ciutadella e para o Arco do Triunfo que fica ao lado. Um Arco do Triunfo é um monumento introduzido pela arquitetura romana utilizado como símbolo de vitória em uma determinada batalha. Cada Arco do Triunfo, portanto, remete-se a uma batalha e a um Imperador e possui a sua própria história. Ao contrário dos outros Arcos do Triunfo que possuem marcação militar, o de Barcelona simboliza o progresso artístico, científico e econômico. Já ouvi falar que o Arco do Triunfo de Barcelona é mais bonito que o Arco de Paris, apesar de ser menor (30m em Barcelona, 50m o de Paris). Semana que vem conto para vocês se é verdade ou não.


Museu do Picasso


Museu do Xocolate


Parc da Ciutadella


Arco do Triunfo


No dia que fomos ver o Arco do Triunfo, estava tendo uma festa "religiosa" de adoração ao demônio. É uma festa tradicional na cidade. Havia adultos e crianças vestidos de vermelho e enfeites simbolizando o inferno e o diabo. Havia bandas e palco. Parecia uma festa normal se não tivessemos descoberto o tema central da festa.





Seguimos nosso roteiro para a praia da Barceloneta. Estava muito tarde e não deu para ver o mar e a praia direito e nem para entrar, infelizmente. Mas só pela lua que estava nascendo no céu já valeu a caminhada até lá. A lua estava tão vermelha que mais parecia o sol, mas era a lua. E havia belíssimas esculturas feitas de areia. Vimos o Hommer Simpson de areia, a Sagrada Familia de areia, com direito a luzes de vela e tudo mais. Pessoas com grande dom e talento, com certeza.


Praia da Barceloneta


Esculturas de areia


Pegamos um ônibus e fomos ver a Torre Agbar. É um prédio com uma arquitetura diferente e todo iluminado. A melhor hora de ir ver a Torre é a noite.


Torre Agbar


Havia um parque montado próximo à Torre. Fomos lá ver e me deu uma saudade da minha infância. Ah!Tinha o Mickey Mouse, direto da Euro Disney e é claro que eu fui tirar uma foto com ele, realizei meu sonho de criança: conhecer o Mickey Mouse.




Retornamos para o hostel e encontramos com a outra parte da turma. Eles entraram no Camp Nou. Custa 16 euros a entrada e o tour pelo estádio. Eles disseram que o tour é muito bom. São duas horas passeando e conhecendo todo o estádio. Ficaram maravilhados com a sensação de estar no estádio do melhor time do mundo. Infelizmente não deu para eu conhecer o estádio, mas se acordar cedo dá para fazer os dois roteiros juntos. Um de manhã e o outro a tarde.


Camp Nou - Estádio do Barcelona


No dia seguinte nosso voo era cedo e voltamos para o Porto. Eu voltei com uma vontade enorme de ficar. É uma cidade que vai estar sempre nos meus planos. Parece ótima para morar. Faltou irmos no Toros Arena e no Montserrat. Vai ficar para a próxima. Também quero conhecer as baladas de lá que dizem serem as melhores.

Barcelona é um dos lugares da Europa que você tem que conhecer. Pode incluir na sua lista de desejos para o ano que vem. Ou talvez para esse ano, quem sabe ainda dá tempo.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Trip to Fátima


Quando saí do Brasil, minha mãe me fez prometer que eu visitaria Fátima para agradecer todas as bençãos recebidas. Fátima em Portugal é como a cidade de Aparecida do Norte no Brasil. E, como boa filha que sou, já cumpri minha promessa. No fim de semana passado, a Erasmus Student Network (ESN) promoveu uma excursão para lá. Aproveitei a oportunidade e fui. Sempre compensa viajar com essa organização. O preço fica mais em conta do que você gastaria alugando um carro ou pegando um ônibus.

Fátima fica à 197 km de Porto, o que dá mais ou menos 2h de ônibus. O trajeto realizado pela excursão foi o seguinte:

8h30 - Saída de Porto
11h30 - Chegada em Tomar - Pausa para um piquinique
12h30 - Saída para o Convento de Cristo
13h -14h - Visita ao Convento de Cristo
14h - Saída para as Grutas
15h-17h - Visitas as Grutas de Mira de Aire
17h - Saída para Fátima
17h30 - 19h - Visita Fátima
19h - retorno ao Porto

Como dá para observar, conhecemos vários lugares interessantes. Em Tomar fizemos um piquinique rápido e deu tempo até de visitar uma feira que estava exposta no dia (a feira era um pouco bizarra).



Depois foi a vez de ir conhecer o Convento de Cristo. Localizado em Tomar, o Convento foi fundado em 1160 e é considerado pela UNESCO uma das grandes heranças mundiais. Em uma hora deu para conhecer todo o Convento com calma e tirar muitas fotos.







Depois foi a vez de conhecer as grutas de Mira de Aire. A gruta possui 11 km de extensão, mas somente 600 metros é aberta a visitação. As Grutas de Mira d'Aire é uma das sete maravilhas naturais de Portugal. Descemos a mais ou menos 160 metros de profundidade. Ainda bem que tinha um elevador para subir.




E, por fim, fomos conhecer Fátima. Em 1917, três crianças viram seis aparições de Nossa Senhora de Fátima. O santuário foi construído no local onde Nossa Senhora fez a sua segunda aparição. Infelizmente, não demos muita sorte no dia da nossa visita. Chovia muito. E o santuário é todo aberto, o que dificultou o passeio. O santuário é realmente lindo. Mas, eu senti falta de conteúdo, de história sobre o lugar. Também gostaria de ter conhecido o local da primeira aparição. Ficou para a próxima.





Até mais!!